Governo do Piauí anuncia nova oficina ortopédica para Centro de Reabilitação em Teresina

Ceir-1

A autorização foi dada pelo governador do Piauí no último dia 11/9, durante reunião

O governador do Piauí, Wilson Martins, autorizou a construção de uma nova oficina ortopédica para o Centro Integrado de Reabilitação (Ceir). Com isso, o local terá condições de oferecer uma maior variedade de equipamentos e ampliará a capacidade de produção para duas mil peças por mês. A autorização foi dada pelo governador nesta quarta-feira (11), durante reunião no Palácio de Karnak com os gestores da Associação Reabilitar, entidade sem fins lucrativos que administra o Ceir.

O investimento estimado na ampliação da Oficina Ortopédica do Ceir é de R$ 806.7 mil, com recursos oriundos do Tesouro Estadual. A nova fábrica terá dois pavimentos, com área total construída de 979,89 metros quadrados. Atualmente, são produzidos mil equipamentos por mês, entre órteses, próteses e outros meios auxiliares de locomoção. Com o novo prédio, a capacidade de produção duplicará e novos equipamentos, como cadeiras de rodas adaptadas, poderão ser montadas.

“O Ceir presta um serviço que é exemplo para o país, com excelência no atendimento à população. A construção da nova oficina dará condições não apenas para que se produza mais órteses e próteses, como para que sejam oferecidos novos equipamentos”, comentou o governador. “É emocionante ver o sentimento das pessoas ao receberem esses equipamentos porque isso representa para elas maior independência e autonomia”, acrescentou Wilson Martins.

O governador determinou à Secretaria Estadual da Saúde (Sesapi) que realize os procedimentos necessários para a confecção de projetos complementares e a execução da obra.

Segundo o médico Benjanim Pessoa Vale, presidente voluntário da Associação Reabilitar, o novo prédio será instalado no terreno onde se localizava a seda da Associação dos Amigos dos Autistas do Piauí (AMA-PI), vizinho ao Centro. “Fizemos uma parceria com o Ministério da Saúde e nesta sexta-feira (13) enviaremos técnicos à AACD de São Paulo para treinamento onde eles aprenderão a produzir cadeiras de rodas adaptadas e os itens novos da tabela do SUS”, afirmou Benjamim Pessoa Vale.

Ceir-oficina-1

OFICINA – Instalada em 2008, a Oficina Ortopédica do Ceir é referência para o país em fabricação de produtos ortopédicos, segundo o Ministério da Saúde. No local, são confeccionados hoje desde palmilhas e sapatos ortopédicos a próteses e órteses sob medida. Utilizando tecnologia de última geração, a Oficina oferece aos pacientes produtos leves e confortáveis, possibilitando melhores condições de uso.

Leia mais sobre o Ceir:

OFICINA ORTOPÉDICA DO CEIR É REFERÊNCIA PARA O BRASIL
ESTADO DO PIAUÍ CONTA COM UNIDADE MÓVEL DE REABILITAÇÃO
OFICINA ORTOPÉDICA NO PIAUÍ SERVIRÁ DE MODELO PARA OUTRO ESTADO NORDESTINO

Fonte: Assessoria

Passo Firme – 15/09/2013
Siga a nova página do @Passo_Firme no Twitter!

Oficina ortopédica do Ceir é referência para o Brasil

Situada em Teresina, capital do Piauí, a oficina ortopédica credenciada ao SUS já realizou mais de 16 mil atendimentos apenas este ano

Em funcionamento desde 2008, o parque industrial da oficina ortopédica (foto) do Centro Integrado de Reabilitação (Ceir), hoje, é modelo em fabricação de produtos ortopédicos para todo o país. É de lá que saem aparelhos que devolvem autonomia para muitos piauienses. A oficina confecciona, sob medida, desde palmilhas e sapatos ortopédicos a próteses e órteses, de acordo com a demanda de pacientes internos, particulares e do Sistema Único de Saúde (SUS).

Recomendado pelo Ministério da Saúde como referência para o resto do país, a estrutura e a qualidade do trabalho desenvolvido na oficina ortopédica do Ceir já despertou o interesse de representantes de vários Estados brasileiros, como Espírito Santo e Rio Grande do Norte. Em outubro último, uma delegação de médicos da Alemanha, em visita ao local, chegou a afirmar que a infraestrutura oferecida pelo centro atende até mesmo aos padrões internacionais de excelência no que tange a tratamentos de reabilitação.

Além da qualidade dos produtos, o Ceir é destaque em atendimento. Só em 2011, foram mais de 11 mil atendimentos em todo o Estado, na área de oficina ortopédica. Até setembro deste ano, o número aumentou 30% em relação a 2011. Isso significa que em 2012, mais de 16 mil atendimentos foram realizados sob prescrição médica através de solicitação junto à Central do SUS, em Teresina, ou Secretaria de Saúde, nos municípios do interior do Estado.

“O parque industrial da oficina ortopédica conta com equipamentos de alta tecnologia e de última geração, o que permite a produção de órteses e próteses mais leves e confortáveis, possibilitando melhores condições de uso”, explica o coordenador da oficina ortopédica Paulo André Ramos.

HISTÓRIAS DE SUCESSO – Além de produzir órteses e próteses, a oficina ortopédica é responsável pela concessão de cadeira de rodas, muletas, bengalas e andador, que auxiliam na locomoção de pacientes, como o pequeno Eluízio Soares, de oito anos. A mãe, Leandra Soares, conta que há mais de dois anos Eluízio se locomove sob o auxílio da órtese, recebida gratuitamente através do SUS.

“Antes, meu filho caia muito, porque ele tem os pés abertos desde que nasceu, mas com a órtese eu o vejo andar pra lá e pra cá como uma criança sem tantas limitações”, diz a dona de casa Leandra Soares. “Se não fosse o Ceir, eu não teria condições de comprar, porque o aparelho é muito caro”, ressalta.

De acordo com Paulo André Ramos, os produtos são confeccionados sob moldes específicos, conforme a necessidade de cada paciente. “Confeccionamos de forma personalizada, de modo que proporcione maior independência e conforto para o paciente”, explica o coordenador, destacando que o recebimento do equipamento se dá em até oito dias após tirar os moldes.

“Com o uso da prótese melhora 100%, a gente até supera o trauma”, relata Francisco Leonardo Pereira. De paciente a funcionário, Leonardo, de 27 anos, foi beneficiado por uma prótese do Ceir em 2009, quando precisou substituir o pé esquerdo perdido em um acidente de carro. O jovem, hoje, auxilia na produção de equipamentos ortopédicos, que beneficiarão outras pessoas em todo o Estado.

Como é o caso do aposentado Airton José Conde (foto), que já recebeu órteses e cadeira de rodas. “O tratamento do Ceir é essencial para reabilitação. Além de receber os equipamentos para melhorar nosso dia-a-dia, conto com o apoio e preparo de uma equipe médica multiprofissional”, destaca o aposentado portador da Síndrome de Guillain-Barré, que causa dormência em todo o corpo, por isso a necessidade de auxílio para a locomoção.

Fonte: CEIR

Leia mais:

Centro nordestino é considerado referência internacional em reabilitação

Passo Firme – 16.11.2012
Curta e compartilhe a página do Passo Firme no Facebook!

Centro nordestino é considerado referência internacional em reabilitação

Delegação de médicos alemães conheceu a estrutura, o trabalho e os projetos do Centro Integrado de Reabilitação (Ceir), localizado no Estado do Piauí, e o considerou referência internacional na área de reabilitação.

Na última sexta-feira (5), uma delegação de médicos do Hospital de Trauma de Berlim (UKB), na Alemanha, conheceu a estrutura, o trabalho e os projetos do Centro Integrado de Reabilitação (Ceir), situado em Teresina, capital do Piauí. A visita aconteceu com o objetivo de firmar parceria de cooperação entre as duas instituições, por meio de intercambio entre profissionais e estudantes da área de saúde e reabilitação.

A delegação, composta de setes profissionais do UKB, em sua maioria médicos, foi acompanhada pelo presidente da Associação Reabilitar, o neurocirurgião Benjamim Pessoa Vale, que explicou todo o modelo de gestão do Ceir, apresentou as instalações do Centro e explanou sobre os planos de expansão da instituição, como o Hospital de Reabilitação do Ceir.

“O Ceir não somente atinge o padrão de referência nacional, mas internacional. Aqui está sendo desenvolvido um trabalho excelente”, comentou o Diretor Chefe do Hospital de Trauma de Berlim, Axel Ekkernkamp.

O secretário de Saúde do Estado, Ernani Maia, explicou que os dois países manterão apoio mutuo. “Através de convênio, nós iremos levar profissional e estudantes a Berlim e, também, recebê-los aqui no Estado. Será uma troca de conhecimentos entre o Piauí e a Alemanha. Esse convênio acontecerá com o apoio do Ceir e de outras instituições da área de pesquisa, saúde e reabilitação” esclarece.

A comitiva alemã foi acompanhada ainda pelo superintendente executivo do Ceir, Francisco Alencar e pelo o Superintendente Multiprofissional do Ceir, Aderson Luz.

Fonte: Portal do Governo do Piauí

Leia também outras notícias sobre o Ceir:

Uso da arte auxilia no tratamento de reabilitação física
Hidroginástica como terapia de reabilitação física
Estado do Piauí conta com unidade móvel de reabilitação
Oficina ortopédica no Piauí servirá de modelo para outro estado nordestino

Passo Firme – 10.10.2011
Vote no Blog Passo Firme na segunda fase do TopBlog 2011! Ele está entre os 100 mais votados!

Uso da arte auxilia no tratamento de reabilitação física

Terapia envolve atividades que estimulam a criatividade e auto-estima do paciente

Pintar quadros, enfeitar caixas, desenhar, cobrir, colar, modelar. São com essas atividades que o setor de arte reabilitação do Centro Integrado de Reabilitação (Ceir), em Teresina-PI, auxilia no tratamento de reabilitação de pacientes com deficiência física. O tratamento envolve atividades que desenvolvem a criatividade e auto-estima do paciente.

Para Marta Diana (foto), 69 anos, que faz reabilitação no Ceir há pouco mais de um mês, depois de um Acidente Vascular Cerebral ocorrido em 2011, a terapia é uma forma de alivio e bem estar. “Nunca tinha pintado, mas quando chego ao Ceir e começo a terapia me sinto muito bem. É realmente um alivio”, esclarece.

Mãe de seis filhos e avó de treze netos, Marta conta que já sente melhoras com o tratamento. Os movimentos de membros superiores e inferiores, que foram prejudicados com o AVC, já ganham mais força e desenvolvimento depois do tratamento.

BAZAR – A jovem senhora é também uma das dezenas de pacientes que terá quadros expostos durante o I BazArt do Ceir. O evento, que acontece nesta quarta-feira (19), visa proporcionar que mais pessoas conheçam o trabalho da arte reabilitação, além de comercializar as telas feitas durante a terapia.

“O nosso acervo de telas é grande e queremos que mais pessoas conheçam as potencialidades dos nossos pacientes. É também mais uma maneira de trabalhar a auto-estima deles”, explica a terapeuta do setor de arte reabilitação Emanoella Sato, acrescentando que o dinheiro arrecadado com o bazar será revertido para melhorias no setor de arte reabilitação.

Fonte: Viagora Piauí

Leia também:

Hidroginástica como terapia de reabilitação física

Passo Firme – 17.09.2012
Vote no Blog Passo Firme para o TopBlog 2012!

Os benefícios do tratamento na água para amputados

Sandra Wegner*

Um ou mais membros se foram. Entre os jovens, mais comumente por acidente de trânsito, principalmente de moto, ou por acidente de trabalho (ex: choque elétrico de alta tensão). Entre os idosos, é mais frequente por problema vascular, geralmente diabetes. É também uma sequela de doença meningocócica. Câncer de ossos também é causa entre os jovens. São amputações adquiridas, com prevalência majoritária dos membros inferiores. Por extensão de conceito, incluem ausências de membros congênitas. Não importa, as consequências e a forma de reabilitar são as mesmas.

Temos o problema: o corpo ficou assimétrico. O centro de gravidade mudou um pouco de lugar – deslocou-se levemente para o lado onde sobrou mais massa corporal. O corpo se desequilibra – é como se o amputado passasse a carregar uma bolsa de compras daquele lado, não apenas por poucos minutos, porém permanentemente. Aquela inclinação para contrabalançar o desequilíbrio é procedida 24h e pode desalinhar a coluna e outras partes corporais. É necessário fortalecer a musculatura adequada para ela reagir contra esta inclinação e manter o corpo ereto e alinhado.

A percepção do corpo no ambiente espacial também mudou. A relação com objetos e corpos próximos ficou diferente, o “golpe de vista” para não esbarrarmos deve ser retreinado. Fora a imagem corporal, a visão do corpo, sua aparência diferente… Estranhamos a nós mesmos, temos medo da reação dos outros a este nosso corpo com nova forma.

O retreinamento do equilíbrio com a nova distribuição de forma e massa corporal é o campo de atuação por excelência da água. Normalmente, já ficamos instáveis na água, portanto nada de mais em ter surgido um elemento adicional de desequilíbrio – a amputação. Todo um conjunto de músculos é treinado para impedir que o corpo flutuando de costas gire, outro conjunto é treinado para propiciar a passagem da posição de costas para a posição em pé, outro conjunto é treinado para manter o paciente ereto e equilibrado.

A amputação requer a atuação de outros músculos que aqueles atuantes antes da amputação, porém a maneira de proceder a esta ativação e fortalecimento muscular é similar. Ademais, os centros de equilíbrio cerebrais recebem estímulos diferenciados, “chamando” por comandos de reequilíbrio diferentes dos habituais em virtude da falta do membro amputado. Ocorre um processo de reaprendizagem motora.

A maior liberdade de movimento na água contribui à autoestima. Na piscina, muletas, bengalas, próteses são desnecessárias. A flutuação e a pressão hidrostática atuam como elementos de sustentação. O convívio com outros é estimulante.

Técnicas de relaxamento passivo que embalam e são acolhedoras e aconchegantes soltam músculos tensos com a responsabilidade de compensar a falta de sustentação decorrente da ausência do membro e também aliviam mentes preocupadas com a nova situação de vida, com a autoimagem prejudicada, com o relacionamento com os outros. Depois de atividades aquáticas, o mundo se modifica, fica mais cor de rosa, com certeza. Agora, a todo vapor para enfrentá-lo!

Fonte: Globo Esporte / Eu Atleta

* Sandra Wegner é professora de Educação Física (UERJ) e Fisioterapeuta (IBMR), com formação internacional em Fisioterapia Aquática (Hidroterapia) com o Dr. Johan Lambeck. Mestre em Educação Especial (Uerj). Sócia-diretora da Hidrovida Atividades Aquáticas no Rio de Janeiro. Site: www.hidrovida.com.br

Leia também:

Hidroginástica como terapia de reabilitação física

Passo Firme – 13.07.2012
Curta e compartilhe a página do Blog Passo Firme no Facebook!

Hidroginástica como terapia de reabilitação física

Um exercício que não oferece tanto desgaste físico e não tem qualquer restrição de idade ou sexo. Essas são algumas das características [e vantagens] da prática da hidroginástica, usada atualmente por muitos centros de reabilitação como mais uma modalidade da reabilitação de amputados e demais pessoas com deficiência física. A finalidade da hidroginástica é melhorar o condicionamento, agilidade e flexibilidade do paciente, atuando também como forma preventiva de evitar futuras patologias.

De acordo com Slania Bastos, reabilitadora física do Centro Integrado de Reabilitação (Ceir), situado em Teresina-Pi, a modalidade começou a fazer parte do quadro de terapias do Centro para oferecer aos pacientes mais uma modalidade de tratamento. “É uma opção a mais para os pacientes que, dentro das piscinas, trabalham exercícios para potencializar os movimentos, treinar equilíbrio, dentre outras contribuições. Não existe restrição de idade para a hidroginástica”, explica.

Combinação das palavras gregas hydor (água) e etherapéia (tratamento), a palavra hidroterapia tem grande prestígio como forma alternativa de prevenção e tratamento para pacientes com algum tipo de deficiência. Quando usada como terapia, a técnica deve ser conduzida preferencialmente um fisioterapeuta, que fará a junção de dos exercícios aquáticos com a terapia mais indicada para tratar a patologia.

Francisca Maria, 48 anos, há dois anos teve um Acidente Vascular Cerebral (AVC), que deixou sequelas na parte motora da jovem senhora. Ela iniciou o tratamento há dois anos e, apesar das conquistas serem paulatinas, afirma que as terapias contribuem muito em sua melhora diária e a hidroginástica tem se destacado entre as terapias. “Sinto-me melhor depois do tratamento, hoje já consigo caminhar e ser mais independente”, explica.

Já a companheira de terapia Ivanildes Mendes, 58 anos, também foi acometida por um AVC e confirma que a hidroginástica é uma terapia que contribui em todos os fatores para o tratamento e completa que a água a faz sentir-se melhor e mais livre.

Com informações de Ceir

Passo Firme – 03.07.2012
Curta e compartilhe a página do Blog Passo Firme no Facebook!