Homem controla perna biônica só com o cérebro

Zac Vawter no Centro de Reabilitação de Chicago | Foto: WSJ
Zac Vawter no Centro de Reabilitação de Chicago | Foto: WSJ

Num avanço que pode, futuramente, melhorar a mobilidade de milhares de pessoas amputadas, cientistas anunciaram que um homem de 32 anos conseguiu controlar os movimentos de uma perna artificial motorizada usando apenas seus pensamentos.

Ajudado por sensores que recebem impulsos dos nervos e músculos que antes levavam os sinais cerebrais para o joelho e o tornozelo, agora amputados, o paciente conseguiu subir e descer escadas e rampas, de uma forma bem parecida com a que fazia com a perna natural, seguindo as instruções vindas do cérebro. Um ponto importante: ele conseguiu flexionar o tornozelo da perna artificial, permitindo-lhe um andar quase normal, algo que não é possível com as próteses atuais.

“É [uma mudança da] água para o vinho” entre a perna biônica experimental e a prótese mecânica que ele usa todos os dias, disse Zac Vawter, engenheiro de software de Yelm, no Estado americano de Washington, que perdeu a perna direita num acidente de moto há quatro anos. “Para subir uma escada com a minha prótese normal, a minha perna boa tem que subir primeiro cada degrau”, acrescentou. “Com esta, posso subir e descer colocando um pé depois do outro.”

Hargrove é o autor principal de um relatório sobre a nova tecnologia publicado no final de setembro pelo "New England Journal of Medicine". | Foto: Divulgação
Hargrove é o autor principal de um relatório sobre a nova tecnologia publicado no final de setembro pelo “New England Journal of Medicine”. | Foto: Divulgação

Os pesquisadores disseram que Vawter é a primeira pessoa a conseguir controlar uma prótese desse tipo apenas com seus sinais cerebrais. Os dispositivos atuais mais avançados que incluem joelho e tornozelo exigem apertar um botão de controle remoto, digamos, no início de um lance de escadas para balançar a perna e subir o degrau, disse Levi J. Hargrove, pesquisador do Centro de Medicina Biônica do Instituto de Reabilitação de Chicago.

Para Vawter, disse Hargrove, “é tudo intuitivo. Ele pode subir ou descer uma escada com passos normais”.

Hargrove é o autor principal de um relatório sobre a nova tecnologia publicado no final de setembro pelo “New England Journal of Medicine”.

Há mais de um milhão de americanos amputados hoje, incluindo cerca de 1.600 soldados que voltaram das guerras no Iraque e no Afeganistão nos últimos dez anos depois de perder pelo menos um braço ou uma perna.

O atual projeto recebeu uma doação de US$ 8 milhões do exército americano, como parte de um esforço mais amplo para atender os soldados com ferimentos que prejudicam a vida normal, disse o coronel John Scherer, chefe de pesquisas de medicina clínica e de reabilitação do Comando de Pesquisas e Materiais Médicos do exército, em Fort Detrick, no Estado americano de Maryland. A meta do projeto da perna biônica é permitir que os jovens soldados possam “participar da vida” e até mesmo voltar a servir na ativa.

Zac Vawter ficou conhecido em novembro passado, quando subiu 103 lances de escada da Willis Tower, em Chicago, usando uma prótese na perna direita comandada por seu cérebro. | Foto: Reuters
Zac Vawter ficou conhecido em novembro passado, quando subiu 103 lances de escada da Willis Tower, em Chicago, usando uma prótese na perna direita comandada por seu cérebro. | Foto: Reuters

Os pesquisadores chamam o dispositivo de “biônico” devido à sua capacidade de interagir de forma inteligente com um ser humano. Apesar das costumeiras associações da tecnologia “biônica” com a força sobre-humana, a prótese “não precisa necessariamente ser forte”, disse Hargrove. “Ela precisa ser inteligente.”

Hargrove e seus colegas desenvolveram o sistema eletrônico para o aparelho, incluindo um algoritmo de software que recebe sinais de elétrodos ligados à pele da perna residual e os converte em movimentos do joelho e do tornozelo da prótese. Os elétrodos recebem os sinais de músculos ligados aos nervos na perna residual, inclusive os nervos que levam sinais cerebrais para o tornozelo, que foram implantados cirurgicamente no tendão do jarrete de Vawter logo após o acidente.

“Quando Zac quer tentar se mover”, explicou Hargrove, o cérebro envia sinais pela medula espinhal até os músculos que não foram danificados. “Temos elétrodos que estão ‘ouvindo’ esses sinais. O algoritmo então decodifica padrões” para descobrir o que ele está pensando, “convertendo os resultados em movimentos tais como esticar o joelho quando ele se senta, ou dobrar e estender o tornozelo.

Em experiências de laboratório envolvendo tipicamente de 700 a 1.000 passos, disse Hargrove, pequenos erros tais como arrastar o pé ocorreram em cerca de 2% dos passos com os sinais vindo do cérebro. Vawter não cometeu nenhum erro mais grave que pudesse resultar numa queda, disse ele.

A conquista “nos leva para mais perto do ponto onde teremos produtos comerciais robustos que utilizam sinais cerebrais da pessoa para permitir que ela caminhe”, disse Daniel Ferris, professor da escola de cinesiologia e do departamento de engenharia biomédica da Universidade de Michigan, que não participou da pesquisa atual.

Vawter se considera um piloto de testes para o dispositivo. Para ele, uma desvantagem é que a perna não é própria para correr, o que ele pode fazer com sua prótese convencional. No entanto, depois de testar a perna no Instituto de Reabilitação dos laboratórios de Chicago e caminhar pela cidade, ele tem que voltar para casa sem ela.

“Nunca é bom deixar para trás uma coisa tão sofisticada”, diz ele. “Estou ansioso para descobrir as melhorias que eles fizeram no software e ajudá-los a ampliar os limites do possível.”

Fonte: Wall Street Journal

Leia também:

COMO UMA PESSOA CONSEGUE CONTROLAR UMA PRÓTESE COM O PENSAMENTO?
HOMEM-MÁQUINA – ATÉ QUE PONTO A TECNOLOGIA DEVE SER USADA PARA MELHORAR A CONDIÇÃO HUMANA?
“REINERVAÇÃO MUSCULAR DIRIGIDA” – SERÁ ESTE O FUTURO QUE A TECNOLOGIA BIÔNICA RESERVA PARA MILHÕES DE AMPUTADOS EM TODO O MUNDO?

Passo Firme – 17/10/2013
Siga a nova página do @Passo_Firme no Twitter!

Alan Fonteles supera americano em Copa e brinca: ‘Bolt que me espere’

Fonteles chega bem à frente do americano na prova dos 150m
Fonteles chega bem à frente do americano na prova dos 150m

Brasileiro, medalha de ouro nos 200m em Londres, vence Jerome Singleton no duelo paralímpico dos 150m; Franciela das Graças triunfa no feminino

Nos Jogos de Londres 2012, Alan Fonteles surpreendeu o mundo e derrotou o sul-africano, e favorito, Oscar Pistorius para ser campeão paralímpico dos 200m (veja o vídeo). Na manhã deste domingo (31), o brasileiro não teve problemas para superar o americano Jerome Singleton no primeiro desafio do evento “Bolt Contra o Tempo”, na Praia de Copacabana (foto). Com o tempo de 15s68, Fonteles venceu a corrida mano a mano de 150m com sobras e brincou desafiando Usain Bolt, bicampeão olímpico dos 100m, 200m e 4x100m.

“Fiz 15s68. Bolt que me espere”, brincou Fonteles. O recorde mundial dos 150m pertence ao jamaicano, que tenta batê-la no Rio. A marca é de 14s35.

Sob sol forte e com uma boa presença de público na Praia de Copacabana, Fonteles não teve um bom início. O americano campeão mundial dos 100m, em 2011, largou melhor. Mas, com o incentivo da torcida, o brasileiro se recuperou, assumiu a ponta no meio da prova e abriu vantagem para vencer com quase um segundo de diferença (15s68 x 16s45).

“Minha largada não costuma ser muito boa, mas cresci ali pelo meio e consegui colocar uma velocidade boa, como foi em Londres. Queria agradecer a presença de todos. Isso aqui é uma prévia do que vai acontecer em 2016. Tenho certeza que vão estar todos nos estádios torcendo para os brasileiros. Nós vamos fazer bonito”, avisou o brasileiro, já de olho nos Jogos Olimpícos e Paralímpicos do Rio de Janeiro.

francielaDESAFIO FEMININO – Em seguida, foi a vez do desafio feminino. Com tempo de 16s75, Franciela das Graças foi a vencedora, à frente de Rosângela dos Santos e Vanda Gomes, que chegaram juntas com 17s12, e Evelyn Santos, a quarta, com 17s75.

“Foi muito bom competir perto desse pessoal, do calor do brasileiros. Foi uma prova diferente, a gente não está acostumado a correr 150m em linha reta, senti um puco de dificuldade no fim, mas foi muito bom”, comentou Franciela.

A brasileira também mostrou satisfação de participar do mesmo evento que o maior nome do atletismo mundial. “É um privilégio correr antes do Bolt, que é um ídolo de todos nós. Entre nós, ele é exatamente do jeito que é na pista, extrovertido, brincalhão. O que se vê na TV ele é pessoalmente”, disse.

EVENTO PRINCIPAL – No desafio principal do evento “Bolt Contra o Tempo”, o astro jamaicano terá de enfrentar o antiguano Daniel Bailey, o equatoriano Alex Quiñones e o brasileiro Bruno Lins. Bolt tentará superar o melhor tempo do mundo na prova de 150m (14s35), que é dele mesmo. O GLOBOESPORTE.COM transmite o desafio ao vivo.

Fonte: Globo Esportes

Passo Firme – 1º/4/2013
Curta e compartilhe a página do Passo Firme no Facebook!

Notícia triste: Pistorius é detido por suspeita de matar namorada

Pistorius

Oscar Pistorius, que fez história em Londres, teria confundido a namorada com um assaltante

O corredor biamputado Oscar Pistorius foi detido na madrugada desta quinta-feira (14), em Pretória (África do Sul) suspeito de ter matado a namorada a tiros de forma acidental. De acordo com a polícia sul-africana, Pistorius teria confundido a modelo  Reeva Steenkamp (na foto acima) com um assaltante e atirado nela em sua casa.

Medalhista paralímpico, Pistorius ganhou notoriedade ao obter autorização para disputar os Jogos Olímpicos de Londres, em 2012. O sul-africano correu os 400 m e o revezamento 4 x 400 m , mas não ganhou medalhas.

File photo of South Africa's Oscar Pistorius starting his men's 400m round 1 heats at the London 2012 Olympic Games at the Olympic Stadium

Pistorius ganhou quatro medalhas de ouro nos Jogos Paraolímpicos de 2004 e 2008. O sul-africano tentou autorização para disputar a Olimpíada de Pequim, em 2008, mas a Iaaf (Federação Internacional de Atletismo) não permitiu.

Somente quatro anos mais tarde, ele conseguiria disputar os Jogos Olímpicos para atletas não deficientes. A sua inscrição na competição causou polêmica, já que muitos rivais reclamaram que poderiam ser machucados pelas pernas mecânicas do sul-africano.

Depois de disputar a Olimpíada, Pistorius foi atração da Paraolimpíada de Londres e mais uma vez entrou em polêmica. Após perder a final dos 200 m para o brasileiro André Fonteles, Puistorius reclamou que as próteses usadas pelo rival estavam fora do regulamento permitido.

Fonte: Portal R7

Passo Firme – 14.02.2012
Curta e compartilhe a página do Blog Passo Firme no Facebook!

Você viu? Pistorius vence prova contra cavalo

Mesmo em condições visivelmente favorecidas, o biamputado Oscar Pistorius, velocista sul-africano que participou da Olimpíada e da Paralimpíada de Londres este ano, ganhou uma corrida de 200 metros contra um cavalo, nesta quarta-feira, em Doha, no Qatar.

Embora Pistorius tenha feito o que os campeões Jesse Owens e Linford Christie não conseguiram, a vitória veio com alguns detalhes. Em primeiro lugar, Pistorius começou 15 metros à frente do cavalo. Segundo, Pistorius correu em uma pista sintética, enquanto o cavalo, Maserati, correu na areia.

Pistorius-cavalo
E em terceiro lugar, como se pode ver no vídeo da corrida (veja acima), Pistorius largou bem, enquanto Maserati teve um começo terrível. “Não importa quem ganhou esta noite”, disse Pistorius após a corrida. “O evento serve para mostrar às pessoas que os atletas especiais são capazes de fazer grandes coisas.”

Neste quesito concordo com ele em gênero, número e grau.

Fonte: ITN News

Passo Firme – 12/12/2012
Curta e compartilhe a página do Blog Passo Firme no Facebook!

Conheça mais um ‘guerreiro’ que já comanda prótese de braço com sinais do cérebro

Sebastian-4

Após a explosão, o cabo Sebastian Gallegos (foto) despertou para ver o sol de outubro cintilando na água, uma imagem tão adorável que ele achou que estava sonhando. Então algo chamou sua atenção, o arrastando de volta à dura realidade: um braço, boiando perto da superfície, com um elástico preto de cabelo em volta do seu pulso.

O elástico era uma recordação de sua esposa, um amuleto que ele usava em toda patrulha no Afeganistão. Agora, das profundezas de sua bruma mental, ele o observava flutuando como um pedaço de madeira em uma leve correnteza, preso a um braço que não estava mais ligado a ele. Ele foi vítima de uma explosão e estava no fundo de uma vala de irrigação.

Dois anos depois, o cabo se vê ligado a um tipo diferente de membro, um dispositivo robótico com motor eletrônico e sensores capazes de ler sinais de seu cérebro. Ele está no consultório de sua terapeuta ocupacional, levantando e baixando uma esponja enquanto monitora uma tela de computador, que rastreia os sinais nervosos em seu ombro.

Fechar a mão, levantar o cotovelo, ele diz para si mesmo. O braço mecânico levanta, mas a mão como garra abre, soltando a esponja. Tente de novo, instrui a terapeuta. Mesmo resultado. De novo. Engrenagens minúsculas chiam e sua testa enruga com o esforço mental. O cotovelo levanta e desta vez a mão permanece fechada. Ele respira aliviado.

Sebastian-1

COMEÇAR DO ZERO – “Como um bebê, você pode segurar um dedo”, disse o cabo. “Eu tenho que reaprender.” Não é uma tarefa fácil. Dos mais de 1,57 mil militares americanos que tiveram braços, pernas, pés ou mãos amputados por ferimentos no Iraque ou Afeganistão, menos de 280 perderam membros superiores. As dificuldades deles no uso de próteses são em muitos aspectos muito maiores do que para aqueles que perderam membros inferiores.

Entre os ortopedistas, há um ditado: “as pernas podem ser mais fortes, mas braços e mãos são mais inteligentes”. Com um grande número de ossos, juntas e riqueza de movimento, os membros superiores estão entre as ferramentas mais complexas do corpo. Reproduzir suas ações com braços robóticos pode ser extremamente difícil, exigindo que os amputados entendam as contrações distintas dos músculos envolvidos em movimentos que antes faziam sem pensar.

Dobrar o braço, por exemplo, exige pensar na contração de um bíceps, apesar do músculo não existir mais. Mas o pensamento ainda envia um sinal nervoso que pode dizer à prótese para dobrar. Toda ação, de pegar um copo a virar as páginas de um livro, exige algum exercício do cérebro. “Há muita ginástica mental com as próteses de membros superiores”, disse Lisa Smurr Walters, a terapeuta ocupacional que trabalha com Gallegos no Centro para os Intrépidos, do Centro Médico Brooke do Exército, em San Antonio.

A complexidade dos membros superiores, entretanto, é apenas parte do problema. Apesar da tecnologia das próteses de pernas ter avançado rapidamente na última década, as próteses de braços têm sido mais lentas. Muitos amputados ainda usam ganchos movidos pelo corpo. E os braços eletrônicos mais comuns, dos quais a União Soviética foi pioneira nos anos 50, melhoraram com os materiais mais leves e microprocessadores, mas ainda são difíceis de controlar.

Aqueles que perdem membros superiores também precisam lidar com a perda crítica das sensações. O toque – a habilidade de diferenciar uma pele de bebê de uma lixa ou de dosar a força para segurar um martelo ou dar um aperto de mão – deixa de existir. Por todos esses motivos, quase metade daqueles que perdem membros superiores optam não pelo uso de uma prótese, mas por seguir em frente com apenas um braço. Em comparação, quase todos aqueles que perdem membros inferiores usam próteses.

Sebastian-3

CIRURGIA – Mas Gallegos, 23 anos, faz parte de uma pequena vanguarda de militares amputados que está se beneficiando com os novos avanços na tecnologia de membros superiores. Este ano, ele foi submetido a uma cirurgia pioneira conhecida como “Reinervação Muscular Dirigida” (“Targeted Muscle Reinnervation”), que amplifica os sinais nervosos minúsculos que controlam o braço. Na prática, a cirurgia cria “soquetes” adicionais, nos quais os eletrodos da prótese podem ser conectados.

“Um maior número de soquetes lendo sinais mais fortes tornará o controle de sua prótese mais intuitivo”, afirma o Dr. Todd Kuiken, do Instituto de Reabilitação de Chicago, que desenvolveu o procedimento. Em vez de ter que pensar em contrair tanto o tríceps quanto bíceps apenas para fechar a mão em punho, o cabo poderá apenas pensar “fechar a mão” e os nervos apropriados poderão ser ativados automaticamente.

“Nos próximos anos, a nova tecnologia permitirá aos amputados sentir com suas próteses ou usar programas de reconhecimento de padrões para movimentar seus dispositivos mais intuitivamente”, disse Kuiken. E um novo braço em desenvolvimento pelo Pentágono, o DEKA Arm, é muito mais hábil do que o atualmente disponível. Mas para Gallegos, controlar sua prótese de US$ 110 mil (R$ 230 mil) após a cirurgia de reinervação continua sendo um desafio e provavelmente exigirá mais meses de exercícios tediosos. Por esse motivo, apenas os amputados mais motivados – superusuários, como são chamados – são autorizados a receber a cirurgia.

Sebastian-2

O SERVIÇO MILITAR – O Corpo de Fuzileiros Navais (Marine Corps, em inglês) parecia ser o desafio perfeito para Gallegos, que cresceu no Texas, criado na pobreza principalmente por sua mãe divorciada. Ele amava a corporação e a corporação parecia amá-lo. Antes de ser enviado para o campo de batalha em 2010, ele foi nomeado líder de uma equipe de três e enviado para aprender pashtu básico, a língua do maior grupo étnico do Afeganistão.

Em outubro, Gallegos, estava caminhando na segunda posição em uma patrulha pelo distrito de Sangin quando pisou em um canal de irrigação, ouviu uma explosão e apagou. Quando despertou, ele se viu ancorado no fundo por sua armadura e armamento. Ele tentou se soltar com seu braço direito, sem perceber que ele tinha sido virtualmente partido abaixo do ombro.

No helicóptero de evacuação, o cabo vislumbrou seu braço intacto envolto em bandagens, o que lhe deu esperança de que os médicos conseguiriam reimplantá-lo. Essa esperança acabou no Centro Médico Brooke do Exército, onde ele deu início ao longo processo de recuperação. Sua postura, ele reconhece agora, foi negativa, influenciada por outro marine, que raramente usava sua prótese porque a considerava muito desconfortável.

Mas então Gallegos conheceu um amputado da Força Aérea que foi um dos primeiros em Brooke a receber a cirurgia de Reinervação Muscular Dirigida. O aviador o alertou que a reabilitação seria frustrante e dolorosa, mas que a recompensa seria imensa. “Não dava para perceber, a menos que olhasse atentamente para ele, que ele não tinha o braço”, disse Gallegos. “Então pensei: ‘Eu quero ser melhor do que ele’.”

Sebastian-5DIFICULDADES – Primeiro, ele teve que aprender a lidar com a dor do membro fantasma. Uma sensação pulsante como a de ter um torniquete apertado no braço, a dor às vezes é forte o bastante para manter o cabo preso à cama, o que o deixa incapaz de se concentrar ou conversar. “Ele vive com dor constante”, disse Tracie Gallegos, que está cursando enfermagem. “Mas ele não se queixa, porque não quer que as pessoas perguntem: ‘Você está bem?’ Essa pergunta realmente o incomoda.”

Com o passar do tempo, medicação e cirurgias reduziram a dor o suficiente para que ele voltasse a praticar com o braço robótico. Ele descobriu que o dispositivo é um enigma para o cérebro, frustrando seus esforços para fazê-lo obedecer. Mais de uma vez ele ameaçou atirá-lo pela janela.

Para motivá-lo nesses momentos, ele pensava em seus amigos marines. Ele então fez uma manga de silicone em tom de pele para sua prótese, gravada com os nomes de todos os 10 marines da Companhia Lima que morreram em Sangin. Agora, quando ele precisa de estímulo, ele olha para o braço – no local onde antes ele usava o elástico de cabelo de sua esposa– e recita todos os nomes deles como uma oração pessoal.

Quando ele começou a usar seus braços mecânicos por mais tempo a cada dia, seu protesista, Ryan Blanck, decidiu que Gallegos poderia estar pronto para a cirurgia de reInervação dirigida. O procedimento explora a capacidade natural dos músculos de amplificar os sinais nervosos. Ao redirecionar os nervos para os músculos saudáveis e redesenhar o tecido para deixá-los mais próximos dos sensores na prótese, o procedimento fortalece os sinais do cérebro e, consequentemente, a capacidade deles de controlar a máquina.

Ao usar o mesmo tipo de prótese que usava antes, Gallegos notou a diferença quase que imediatamente. Ele não mais precisava pensar tanto em contrair vários músculos: quando ele queria que o braço se movesse, ele se movia, mais rápido e com maior fluidez.

Mas isso não significava que ele se movia como ele queria. Ele ainda tem problemas com “linha cruzada”, quando certos nervos falam mais alto que outros. Se um nervo do pulso domina, por exemplo, um paciente pode ter que pensar em virar o pulso para poder fechar a mão. Mas com o uso repetido, os nervos passam a se entender e a necessidade de artifícios desaparece, disse Kuiken.

Apesar de todos seus ganhos com a prótese, Gallegos não superou o embaraço que sente quando usa seu braço robótico em público. Certa vez a mão se soltou em um restaurante lotado, assustando uma criança próxima. No escuro do cinema, os sons como do Exterminador do Futuro de seu braço provocam sussurros surpresos. E até hoje ele não veste camisas de manga curta em restaurantes. “Mesmo que esteja calor, eu visto uma jaqueta para evitar que olhem”, ele disse.

“Ainda há muita coisa complicada”, ele disse. “Eu ainda estou descobrindo dia a dia qual será o meu normal.” Por esse motivo, ele não faz maiores planos para o futuro, como fazia antes. Mantenha tudo simples, ele diz para si mesmo: saia da Corporação dos Marines. Vá para a faculdade. Aprenda a amarrar o sapato com uma mão robótica. E talvez, apenas talvez, se torne um atleta paraolímpico.

Veja o vídeo:

Fonte: UOL Notícias / Por The New York Times

Leia também:

Como uma pessoa consegue controlar uma prótese com o pensamento?
Soldado ganha braço biônico controlado pela mente
Pé biônico simula movimentos humanos de maneira realista

Passo Firme – 30.11.2012
Curta e compartilhe a página do Passo Firme no Facebook!

Como uma pessoa consegue controlar uma prótese com o pensamento?

TRM-6

Recentemente, o Instituto de Reabilitação de Chicago (RIC) apresentou o caso do engenheiro de software Zac Vawter (foto), de 31 anos, o primeiro americano amputado de perna que conseguiu subir 103 andares de um dos maiores arranha-céus do mundo, o Willis Tower, antiga Sears Tower, em Chicago, com o uso de uma prótese biônica controlada pelo cérebro. Zac perdeu uma das pernas num acidente de moto em 2009.

Antes disso, o mesmo instituto americano havia apresentado Claudia Mitchell (foto), a primeira mulher a receber a tecnologia do “braço biônico”. Ela teve o braço esquerdo amputado até o ombro depois de um acidente de moto e agora consegue segurar um puxador de gaveta com sua mão artificial por meio do pensamento “segurar o puxador de gaveta”.

First "Bionic Woman" Demonstrates Thought-Controlled Prostheses

O fato de uma pessoa conseguir controlar com êxito vários e complexos movimentos de um membro postiço com seus pensamentos abre um mundo de possibilidades para os amputados. A estrutura, tanto cirúrgica quanto tecnológica, que torna esse feito possível é quase tão incrível quanto os resultados do procedimento.

Tanto Claudia Mitchell quanto Zac Vawter são exemplos de pacientes submetidos ao procedimento cirúrgico chamado “Targeted Muscle Reinnervation” nos EUA (Reinervação Muscular Dirigida ou Orientada), que redireciona os sinais do cérebro dos nervos cortados durante a amputação para músculos intactos, permitindo ao paciente controlar sua prótese intuitivamente.

TRM-2

A TÉCNICA – A tecnologia do “braço biônico” é possível basicamente por causa de dois fatos da amputação. Em primeiro lugar, o córtex motor no cérebro (a área que controla movimentos voluntários dos músculos) ainda envia sinais de controle mesmo que certos músculos voluntários não estejam mais presentes para serem controlados. Em segundo lugar, quando os médicos amputam um membro, eles não removem todos os nervos que antes transmitiam sinais para esse membro.

Então, se o braço da pessoa foi amputado, existem nervos que terminam no ombro e simplesmente não têm mais lugar para enviar suas informações. Se essas terminações nervosas puderem ser redirecionadas para um grupo muscular que funcione, a pessoa pensa “segurar a maçaneta com a mão” e o cérebro envia os sinais correspondentes para os nervos que deveriam se comunicar com a mão, e esses sinais acabam no grupo muscular que funciona em vez de irem para as terminações do ombro.

TRM-7Redirecionar esses nervos não é uma tarefa simples. O Dr. Todd Kuiken (foto), do Instituto de Reabilitação de Chicago, é o criador da técnica denominada Targeted Muscle Reinnervation (TMR), ou Reinervação Muscular Dirigida. Os cirurgiões basicamente operam o ombro para ter acesso às terminações nervosas que controlam os movimentos das articulações do braço, como cotovelo, pulso e mão. Em seguida, sem danificar os nervos, eles redirecionam as terminações para um grupo muscular que funciona.

No caso do “braço biônico” do Instituto, os cirurgiões ligaram as terminações nervosas a um grupo de músculos peitorais. São necessários vários meses para que os nervos se juntem a esses músculos e se tornem totalmente integrados. O resultado final é um redirecionamento dos sinais de controle: o córtex motor envia sinais para o braço e mão através de ligações nervosas, como sempre fez, mas em vez de esses sinais acabarem no ombro, eles acabam no peito.

Para usar esses sinais no controle do braço biônico, a parafernália do Instituto coloca eletrodos na superfície dos músculos peitorais. Cada eletrodo controla um dos seis motores que movimentam as articulações do braço postiço. Quando a pessoa pensa “abrir a mão,” o cérebro envia o sinal de “abrir a mão” para o nervo apropriado, agora localizado no peito.

Quando as terminações nervosas recebem o sinal, o músculo peitoral em que estão ligadas se contrai. Quando o músculo peitoral responsável por “abrir a mão” se contrai, o eletrodo nesse músculo detecta a ativação e faz com que o motor que controla a mão biônica se abra. E como cada terminação nervosa está integrada a partes diferentes do músculo peitoral, uma pessoa com um braço biônico pode mover os seis motores ao mesmo tempo, o que resulta em uma série de movimentos bastante naturais para a prótese.

Fonte: Como Tudo Funciona / HowStuffWorks Brasil

Leia também:

Homem-máquina – até que ponto a tecnologia deve ser usada para melhorar a condição humana?
“Reinervação Muscular Dirigida” – será este o futuro que a tecnologia biônica reserva para milhões de amputados em todo o mundo?

Passo Firme – 27.11.2012
Curta e compartilhe a página do Passo Firme no Facebook!

Homem-máquina – Até que ponto a tecnologia deve ser usada para melhorar a condição humana?

O caso do Zac Vawter (foto) reascende um debate que começa a ganhar mais força com o avanço da ciência. Até que ponto a tecnologia deve ser usada para melhorar a condição humana?

O engenheiro de software americano Zac Vawter, de 31 anos, perdeu uma das pernas num acidente de moto em 2009. Primeiro homem a ter uma prótese biônica controlada pelo cérebro, ele realizou um feito e tanto na semana passada, quando subiu os 103 andares de um dos maiores arranha-céus do mundo, o Willis Tower, antiga Sears Tower, em Chicago.

A primeira vista, a conquista de Vawter não é o tipo de notícia que traz consigo alguma preocupação, muito pelo contrário: um amputado conseguiu superar seus limites graças ao avanço da tecnologia. Mas basta alterar um pouco o cenário para ver que esse tipo de acontecimento vai levar a sociedade a um debate com implicações sociais e éticas gigantescas: imagine que a prótese Vawter evolua a ponto de torná-lo tão competitivo quanto um atleta olímpico, e mais que isso, que um homem com prótese biônica conquiste uma medalha numa Olímpiada tradicional.

Em Londres 2012, o mundo pôde acompanhar uma prévia desse cenário, quando o sul-africano Oscar Pistorius (foto) se tornou o primeiro amputado das duas pernas a participar da corrida de 400 metros de uma Olimpíada. Ainda que alguns especialistas defendam que as próteses de fibra de carbono lhe deem uma vantagem em relação aos demais competidores, a discussão não ganhou ares de momento histórico porque o desempenho de Pistorius foi apenas razoável: acabou em último numa das baterias das semifinais.

Enquanto as modificações médicas resultarem apenas a um retorno à qualidade de vida inicial, é seguro imaginar que o debate continuará a ser marginal. Mas ele tende a se alterar profundamente assim que uma modificação acabe melhorando e superando a condição inicial. Há um grupo cada vez maior de cientistas e intelectuais, os chamados transumanistas, que defendem exatamente isso: o uso da tecnologia e da ciência para superar os limites do corpo humano, independentemente de ele ter ou não uma deficiência.

Pense em um olho biônico. Você trocaria seu olho saudável por um implante biônico que lhe dê funcionalidades extras, como enxergar raios ultravioletas e melhorar a visão noturna? O transumanismo advoga a favor dessas mudanças. Em seu extremo, a meta de quem defende essa filosofia é conquistar a imortalidade. Como diz o prórpio nome, a ideia é transcender os limites humanos.

O desafio ético e suas ameaças

Um dos principais proponentes do transumanismo é o filósofo Nick Bostrom (foto), da Universidade de Oxford, criador da Associação Transumanista Mundial, fundada em 1998. Ele tem focado muito do seu trabalho na discussão ética do uso da ciência para melhorar a condição humana. “Nós estamos finalmente entrando na fase construtiva quando perguntamos não se um melhoramento biomédico é um bem geral – sim ou não –, mas questões tais como: Quais melhoramentos em particular vale a pena perseguir? Como superar as muitas dificuldades técnicas? Quais tipos de mudanças sociais e regulatórias podem ser necessárias?”, disse ele em uma entrevista à revista Filosofia.

Outros veem a chegada da era trasumanista com preocupação. O filósofo Francis Fu¬kuyama, da Universidade Johns Hopkins, diz que é “das ideias mais perigosas do mundo”. A ideia de igualdade de direitos, argumenta, está sus¬tentada na crença de que todos possuímos uma essência humana que se manifesta de diferentes formas. “Se começarmos a nos transformar em algo superior, que direitos essas criaturas melhoradas vão reivindicar, e que direitos elas terão quando comparadas com aqueles que ficaram para trás?”, escreveu, na revista Foreign Policy. “Essas questões são preocupantes dentro das sociedades ricas e desenvolvidas. Adicione as implicações para os cidadãos dos países mais pobres – para quem as maravilhas da biotecnologia provavelmente vão estar fora de alcance – e a ameaça à idéia de igualdade se torna ainda mais ameaçadora.”

Há cada vez mais ciborgues – parte cibernéticos, parte orgânicos –, como eles próprios gostam de se chamar, andando por aí. Conheça quatro famosos ciborgues da nossa era:

Rob Spence perdeu o olho direito após um acidente com uma arma, aos 13 anos. Inicialmente, ele usou uma protése, até que, em 2008, decidiu colocar uma espécie de olho-câmera: uma protése equipada com um transmissor wireless que manda as imagens capturadas em tempo real para uma tela remotamente. Cineasta, ele rodou o mundo atrás dos últimos avanços da tecnologia e fez um documentário sobre os ciborgues atuais. Mais sobre ele em seu site, http://eyeborgproject.com/
Kevin Warwick se intitula o primeiro ciborgue do mundo. Cientista e professor de cibernética da Universidade de Reading, na Inglaterra, Warwick faz experimentos com o próprio corpo. Num deles colocou um microchip conectando o corpo a um computador. Com isso, conseguiu ligar a luz ou abrir as portas da própria casa apenas com a sua presença. Ele também trabalha num projeto de mão biônica e de cérebro artificial. Mais informações em http://www.kevinwarwick.com/
Jerry Jalava, um programador finlandês, perdeu parte do dedo indicador da mão esquerda num acidente de moto. Ele decidiu construir sua próprioa prótese: e aí surgiu a ideia de um dedo pen drive. A protéste tem 2GB de capacidade de armazenamento. A história foi divulgada mais tarde, quando o próprio Jerry enviou fotos de seu dedo cibernético a um site de design
Jesse Sullivan foi o primeiro homem a utilizar protéses biônicas para os braços, controladas pelo cérebro. Ele mexe os dois braços robôs apenas com a força do pensamento. A tecnologia foi desenvolvida pelo mesmo time responsável pela prótese de Zac Vawter (citado na abertura da reportagem acima), o primeiro a receber uma perna biônica

Fonte: Gazeta do Povo

Leia também:

Ele conseguiu!
“Reinervação muscular dirigida” – será este o futuro que a tecnologia biônica reserva para milhões de amputados em todo o mundo?
Tecnologias que farão de nós ciborgues na próxima década

Passo Firme – 14.11.2012
Curta e compartilhe a página do Passo Firme no Facebook!

Alan Fonteles fala sobre planos para o futuro e desejo de enfrentar Usain Bolt

 

Alan aproveitou ainda para relembrar a conquista no Estádio Olímpico, com 70 mil pessoas e diante do até então favorito Oscar Pistorius

Alan Fonteles (foto), medalhista de ouro nos 200m nos Jogos Paralímpicos de Londres, está em Madri para participar da 3ª edição da semana do esporte inclusivo. O jovem de 20 anos aproveitou a visita à capital espanhola para conhecer as instalações do Real Madrid, um dos maiores clubes de futebol do mundo.

“Sempre sonhei em conhecer os jogadores do Real Madrid, foi uma grande emoção para mim estar com o Kaká, Casillas e Cristiano Ronaldo. Pude conversar um pouco com o José Mourinho, que é um grande técnico. Aprendi mais sobre futebol, adorei a experiência”, contou.

Alan aproveitou ainda para relembrar a conquista no Estádio Olímpico, com 70 mil pessoas e diante do até então favorito Oscar Pistorius. Além disso, o campeão comentou sobre os próximos passos após a inédita medalha de ouro em Londres e revelou um desejo especial.

“Foi a realização de um sonho após quatro anos de treinos intensos e muito sacrifício. Meu foco agora é o Mundial de 2013 e os Jogos do Rio em 2016, onde estarei em casa. Não penso ainda em competir com atletas sem deficiência, apesar de querer desafiar o Usain Bolt (foto). Ele é meu ídolo e também uma referência no esporte, me espelho muito nele”, afirmou.

DESAFIO – Durante a 3ª edição da semana do esporte inclusivo, a estação de metrô de Nuevos Ministerios foi palco do “Desafio de Oliveira”. Um telão de 15 metros, com uma imagem gravada de Alan Fonteles em velocidade real, exibia a projeção do atleta para os espectadores. Algumas pessoas que estavam no evento tentaram, sem sucesso, seguir o campeão paralímpico.

Fonte: CPB

Leia também:

Alan Fonteles descarta olimpíada, mas quer disputar Troféu Brasil

Passo Firme – 25.10.2012
Vote no Blog Passo Firme na segunda fase do TopBlog 2012! Ele está novamente entre os 100 mais votados!

Alan Fonteles descarta Olimpíada, mas quer disputar Troféu Brasil

Apesar de ter vencido Oscar Pistorius na final dos 200m da classe T44 dos Jogos Paralímpicos de Londres, o brasileiro Alan Fonteles (foto) não tem intenção de disputar as Olimpíadas, como o sul-africano fez em 2012. Por outro lado, deseja atuar no Troféu Brasil de Atletismo. “Não tenho nenhuma intenção de competir entre os olímpicos, como Pistorius fez. Meu negócio é Paralimpíada”, afirmou o atleta que também disputa os 100m e os 400m.

“Posso correr os 200m abaixo de 21s (seu melhor é 21s45). Eu tenho muito a melhorar: em Londres ganhei o ouro, mas minha largada foi péssima. Quando chegar a um tempo próximo de 20s7 ou 20s8, entro na briga para disputar o Troféu”. O quinto melhor brasileiro na prova este ano é Aílson Feitosa, que cravou 20s62, marca próxima da que o paralímpico mira.

Há um motivo para tamanha obsessão de Alan pelo Troféu, que ainda não tem data confirmada para 2013. As primeiras lembranças do atletismo são justamente de provas da competição, mais notadamente de seu ídolo, o ex-velocista Robson Caetano – medalhista olímpico de bronze em Seul-1988 e Atlanta-1996. “Não é questão de provar nada para ninguém. É sonho de criança”, declarou.

A vitória na Paralimpíada ganhou mais repercussão após declarações injustas de Pistorius e mudou a vida do brasileiro. Enquanto curte férias em seu estado natal, patrocinadores estão no encalço, autoridades o buscam para homenagens e pessoas o abordam nas ruas. Alan curte tudo isso.

Confira a entrevista com Alan Fonteles:

Você disse que pode melhorar bastante nos 200m. E o que mira em outras provas?
Alan: Eu avalio muito minhas corridas com meu técnico (Amauri Veríssimo). Sempre peço para alguém filmar, para avaliar biomecânica e corrigir erros. Tenho muita margem de melhora nos 200m e sobretudo nos 400m. É treinar e aí consigo fazer estragos. Posso corrê-los em 45s.

Por que não tentar vaga em Olimpíada, como fez Pistorius?
Alan: Não é meu foco. Pode acontecer? Não sei. Mas quero só participar do Troféu Brasil. É sonho.

Pistorius fez críticas à regra de altura das próteses logo após sua vitória nos 200m? Ainda magoa?
Alan: Para mim, o Pistorius é página virada. Ele era um ídolo, mas guardei mágoa dele. Não sou robô, sou ser humano. Não tenho nada contra ele, mas fiquei triste por ele não ter me cumprimentado. Foi um ídolo que passou.

Hoje, quase um mês depois, consegue entender por que ele agiu daquela maneira?
Alan: Acabei vendo o outro lado dele. Considerava-o amigo, mas ele quis mexer com meu psicológico, tirar o foco da minha vitória.

Fonte: Terra

Leia também:

Deficiência física: as limitações estão no pensamento

Passo Firme – 1º.10.2012
Vote no Blog Passo Firme para o TopBlog 2012!

Deficiência física: as limitações estão no pensamento

Os brasileiros e o mundo vibraram com a vitória de Alan Fonteles (foto) nas Paralimpíadas de Londres 2012. Ele superou o seu próprio “ídolo”, o sul-africano Oscar Pistorius, na prova dos 200 metros, categoria T44, e alcançou a medalha de ouro em apenas 21s45 de competição. Mais do que vencer as pseudo limitações que a vida lhe impôs, Alan ensinou a todo mundo que as dificuldades estão dentro de cada um. Não existem barreiras quando se tem determinação. Não há obstáculos diante da realização de sonhos. Assim como Alan, outras pessoas também são exemplos de superação por alcançar ideais que aos olhos da discriminação são impossíveis de serem realizados e por serem os melhores naquilo que se propuseram a fazer.

Os sonhos podem ser simples e também podem ser complexos. Eles podem traduzir um desejo singelo de uma bailarina da cidade de Ourém, nordeste paraense, que espera – um dia – se apresentar no Teatro da Paz, em Belém. Podem refletir o projeto de um professor surdo que luta para publicar um livro, construir uma escola bilíngue e que ainda contagia ao público quando se apresenta no palco. Os sonhos dos deficientes físicos também podem não ser de grandes feitos, mas apenas de mostrar ao seu semelhante a igualdade e as diferenças no coração de cada ser humano.

Todos estes sonhos se remetem a uma característica comum que é a motivação. Motivação esta que faz bailarina Tayane Santana (foto), 24, se dedicar ao balé e superar as dificuldades de fazer passos e coreografias com apenas uma perna. No ano passado, a bailarina se destacou durante o Festival Internacional de Dança da Amazônia (Fida), onde conheceu a sua “ídolo” Ana Botafogo. Este ano, ela pretende brilhar novamente com o espetáculo “Alice e suas flores”. “O balé é uma fonte de superação para mim”, disse.

A sua ligação com a dança teve início há seis anos quando se mudou para a capital paraense para se tratar de um tumor ósseo no joelho esquerdo, que se originou em consequência de uma queda durante a sua infância. Por causa da enfermidade, perdeu a perna, mas não a vontade de viver e alcançar seus ideais.

Graças ao apoio da Associação de Voluntariado de Apoio a Oncologia (Avao), Tayane começou a ter aulas de balé e já se apresentou em diversos espetáculos. “Eu comecei a dançar como forma de terapia, porque eu estava em depressão pelo meu problema. Hoje, o balé faz parte da minha vida e me proporcionou a experiência maravilhosa de encontrar e conhecer a Ana Botafogo (bailarina)”, exaltou ao celebrar a realização de um sonho.

Questionada se sente limitada a dançar, Tayane responde de imediato que não. “As limitações não vem de mim, vem dos outros”, considerou. “Mesmo sendo do balé eu danço tudo e gosto de dançar”, afirmou. A jovem cursa o quinto semestre em Serviço Social na Universidade Federal do Pará (UFPA), e diz que se sente realizada em vários aspectos. Espera agora conseguir realizar seu próximo sonho que é se apresentar no palco do Teatro da Paz.

“Superação é responsabilidade com compromisso e caráter”

A afirmação acima é do professor Kleber Couto, 41, que é surdo e atualmente ministra aula para mais de 150 alunos, dentre ouvintes e também surdos. Ele dedica a sua vida ao seu trabalho e as artes, onde coordena o grupo de teatro intitulado de “Os palhaços surdos”. O professor está na luta para conseguir publicar um livro confeccionado por ele próprio – pelo qual ensina, de maneira regional, a Linguagem Brasileira de Sinais (Libras). O feito ainda não foi alcançado porque nenhuma editora se prontificou em publicar a bibliografia.

Kleber nasceu surdo e relata que teve uma infância difícil, onde não conseguia alcançar a inclusão social porque seus amigos não conseguiam compreender a linguagem de sinais e corporal que usava para se comunicar. Aos 15 anos de idade queria ser comissário de bordo, mas este sonho foi arrancado porque disseram para ele que era preciso conseguir falar para trabalhar nesse ramo.

Por meio da Libras, o professor disse que já pensou em ser ator global porque teve a oportunidade de conhecer o ator paraense Cacá Carvalho. Este sonho também lhe foi retirado porque disseram que para trabalhar em TV ele precisava ter voz. A sua realização veio anos depois, em 1997, quando concluiu o Ensino Médio onde se formou em magistério. “Eu nunca imaginei que um dia pudesse ser professor! Ninguém acreditava em mim”, comentou.

Questionado se hoje se sente realizado, ele esboça uma expressão de alegria e confirma que sim, e colocou que por ser professor conseguiu obter respeito por parte das pessoas que não o compreendiam. “Estou mais feliz ainda por ter fundado o grupo de palhaços surdos”, acrescentou. “Esta realização me deixou mais perto do teatro e de uma carreira de ator”.

Para o professor, o preconceito das pessoas não atrapalha a alegria dele de fazer com amor o seu trabalho com jovens e crianças, ouvintes e surdos, e também de sorrirem com a “palhaçada” que faz. “A discriminação continua, ela sempre vai existir e nunca acabar. Quando vou ao shopping, por exemplo, as vendedoras me olham estranhos. Algumas até riem da forma que me comunico”, reclamou. Porém isto não lhe desanima, pelo contrário, lhe dá coragem para seguir a diante com o seu projeto de publicar um livro com imagens e figuras de elementos regionais que traduzam a linguagem de sinais.

Deficiência nasce junto com os mais fortes

De ascensorista para recepcionista, Roseneire Campos, 38, alcançou a sua realização profissional e afirma que tem orgulho de ser quem é e o que faz. Para ela, o deficiente é uma pessoa forte, escolhida por Deus para enfrentar os obstáculos que a vida impõe. Aos nove meses de idade, Roseneire caiu da rede e em consequência sofreu uma paralisia que afetou o desenvolvimento da perna esquerda. “A deficiência só aparece quando eu ando”, frisou.

“Passei a infância toda no hospital, aprendi a andar quando já estava com 10 anos de idade. Nas escola, os colegas faziam piadas e foi difícil”, se emocionou Roseneire. As lágrimas que escorriam não foram pela lembrança de um tempo difícil e sim pela vitória de ter alcançado diversas realizações. “Eu lembro que quando comecei a trabalhar no shopping, foi como ascensorista no elevador e uma colega comentou que eu ia ficar ali por muito tempo. O que ela quis dizer é que eu jamais poderia sair daquela função e hoje sou recepcionista e ela continua no mesmo cargo”, relatou. Ela trabalha em um shopping center na BR-316 há quatro anos.

Na nova função que lhe foi atribuída, Roseneire é respeitada e querida pelas colegas de trabalho que dizem que aprendem diariamente com ela. “Nós (deficientes) não somos diferentes e algumas pessoas insistem dizer que somos. Somos, na verdade, pessoas de luzes que nascemos para enfrentar obstáculos”, disse a recepcionista.

Pessoalmente e profissionalmente ela se sente realizada, até mesmo porque aprendeu a lidar com o preconceito na escola e considera que hoje não enfrenta mais esse problema no trabalho porque sabe como lidar com as indiferenças. “Nós não somos frágeis, somos fortes”, desfechou Roseneira ao frisar o segredo da superação que é acreditar em si próprio e buscar os seus ideais. “Quando a gente acredita em nosso potencial, não há limitações e nem barreiras que nos impeça de sermos felizes”, resumiu.

Fonte: Diário do Pará

Passo Firme – 16.09.2012
Vote no Blog Passo Firme para o TopBlog 2012!

Brasil fecha os Jogos com brilho na piscina e nas pistas

Com 21 medalhas de ouro, país faz sua melhor campanha em Paralimpíadas; confira os destaques da competição, que chegou ao fim neste domingo

A alquimia nem sempre é a mais óbvia. Cada medalha de ouro dos Jogos Paralímpicos de Londres, assim como as olímpicas, é feita com apenas 1,34% de ouro, 92,5% de prata, 6,16% de cobre – e 100% de um esforço sobre-humano. O Brasil colheu 21 delas ao longo de 11 dias de competição na terra da Rainha e volta para casa com a campanha mais vitoriosa de sua história. A meta de ficar em sétimo lugar no quadro geral está cumprida, com 43 medalhas no total – 14 pratas e oito bronzes. O hábito de subir no pódio todo dia deve-se muito à natação e ao atletismo, mas não despreza a bocha, o futebol de 5, a esgrima, o judô e o goalball. Tem metal nobre à vontade para todos.

Com seis ouros de Daniel Dias e três de Andre Brasil, a natação volta de Londres como esporte brasieiro mais vitorioso – sem contar quatro pratas e um bronze. As 14 medalhas no total só perdem para o atletismo, que ganhou 18, sendo sete douradas. Os outros títulos paralímpicos do país vieram na bocha, em dose tripla, no futebol de 5 e na esgrima. Após superar Pequim 2008 (47 medalhas, 16 ouros), a meta agora é o milagre da multiplicação dos números para fazer mais bonito ainda dentro de casa, daqui a quatro anos, nas Paralimpíadas do Rio de Janeiro. Enquanto o novo ciclo começa, confira os destaques da edição 2012.

Daniel Dias, uma usina de ouros

A piscina do Centro Aquático de Londres ficou pequena para ele. Nas seis provas individuais que disputou nas Paralimpíadas de 2012, Daniel Dias não quis saber de variar: faturou o ouro em todas. Foi o melhor do mundo nos 50m peito SB4 e em cinco provas da categoria S5: 50m borboleta, 50m costas, 50m livre, 100m livre e 200m livre. Com 15 medalhas em duas edições dos Jogos, sendo dez ouros, ele superou o nadador Clodoaldo Silva e a corredora Ádria Santos como maior medalhista paralímpico da história do país. O mais assustador é saber que a história ainda não acabou. Aos 24 anos, Daniel está apenas abrindo mais um ciclo olímpico, que vai terminar no Rio em 2016.

Alan Fonteles, o paraense de 20 anos que derrubou a lenda

Era noite de domingo em Londres, e Oscar Pistorius, a maior estrela dos Jogos, corria sozinho para o ouro nos 200m rasos T44. Quase sozinho. Com uma arrancada espetacular na reta final, um paraense de 20 anos correu como nunca e desbancou a lenda para ganhar um ouro histórico. E assim o mundo foi apresentado a Alan Fonteles. As próteses que impulsionaram sua reação foram alvos de críticas de Pistorius. E Pistorius foi alvo de críticas do planeta inteiro, que ameaçou vê-lo como mau perdedor. No dia seguinte, o sul-africano pediu desculpas, e tudo voltou ao normal: nas outras três provas, chegou à frente do brasileiro e fechou sua campanha com dois ouros e uma prata.

Terezinha Guilhermina e a maior lição de todas

Se há quem veja no atleta-guia apenas um coadjuvante nas competições de atletismo, Terezinha Guilhermina discorda. E mostrou isso para um Estádio Olímpico lotado. Já na parte final da prova de 400m T12, o guia Guilherme Santana tropeçou e foi ao chão. A cega mais rápida do mundo ainda tinha chances de pódio, mas optou pela solidariedade. Jogou-se na pista e lá ficou, até Guilherme levantar para os dois cruzarem juntos a linha de chegada em último lugar. O ato nobre foi recompensado no dia seguinte, quando a dupla ganhou o ouro e quebrou o recorde mundial nos 100m T11. Foi o segundo ouro de Terezinha, que também venceu nos 200m.

O futebol que tem o hábito de trazer medalhas de ouro

A derrota de Neymar & Cia para o México na final das Olimpíadas ainda estava fresca na memória quando a seleção brasileira de futebol de 5 abriu sua campanha nas Paralimpíadas. A busca do ouro não era exatamente uma pressão, estava mais para rotina, já que a luta era pelo tricampeonato. E assim foi. Com uma vitória por 2 a 0 sobre a França – algoz nos campos – aequipe verde-amarela garantiu o título. Festa principalmente para Marquinhos, Bill e o goleiro Fábio, que também estavam nas campanhas de Atenas 2004 e Pequim 2008.

Brasil, o país da bocha

Nas Olimpíadas, nem tem. Pouco popular no Brasil, a bocha verde-amarela surpreendeu o torcedor em Londres. Com três ouros e um bronze, foi o terceiro esporte mais laureado do país na campanha em Londres. A trajetória vitoriosa começou com Dirceu Pinto e Eliseu dos Santos, que conquistaram o bicampeonato nas duplas. Depois, Dirceu repetiu a dose no individual, e Maciel Santos completou a trinca de ouros – Eliseu ainda ganhou um bronze.

Entre os gringos, o show dos super-humanos

Como era de se esperar, Oscar Pistorius atraiu todos os holofotes com os ouros nos 400m T44 e no revezamento 4x100m. Mas a maior coleção de ouros nas Paralimpíadas ficou com a australiana Jacqueline Freney. A rainha paralímpica da natação venceu todas as oito provas que disputou na piscina do Centro Aquático. No tênis de cadeira de rodas, o fenômeno atendia pelo nome de Esther Vergeer. A musa holandesa faturou mais um ouro e não perde uma partida desde 2003. No tênis de mesa, a polonesa Natalia Partyka venceu a disputa na classe 10. E lembra Pistorius por também competir nas Olimpíadas – tem duas participações.

Por fim, não dá para passar pelos Jogos de Londres sem citar a incrível história de Alessandro Zanardi. O italiano, que já foi piloto de Fórmula 1, sofreu um acidente grave aos 34 anos e teve de amputar as duas pernas. Sem esquecer a velocidade, abraçou o ciclismo paralímpico e brilhou ao conquistar dois ouros: na categoria H4 do contra-relógio e na prova de estrada. Para um evento de âmbito mundial marcado pela superação, difícil imaginar exemplo melhor.

Confira todas as medalhas do Brasil nas Paralimpíadas de Londres, dia a dia:

30 de setembro
Andre Brasil – prata nos 200m medley SM10
Daniel Dias – ouro nos 50m livre S5
Michele Ferreira – bronze no judô categoria até 52kg

31 de agosto
Lúcia Teixeira – prata no judô categoria até 57kg
Daniele Bernardes – bronze no judô categoria até 63kg
Andre Brasil ouro nos 50m livre S10
1º de setembro
Andre Brasil – ouro nos 100m borboleta S10
Antônio Tenório – bronze no judô da categoria até 100kg
Daniel Dias – ouro nos 200m livre da S5 de natação
2 de setembro
Yohansson Nascimento – ouro nos 200m T46
Alan Fonteles – ouro nos 200m T44
Terezinha Guilhermina e Jerusa Geber – ouro e prata nos 200m T11
3 de setembro
Odair Santos – prata nos 1.500m T11
4 de setembro
Dirceu Pinto e Eliseu dos Santos – ouro na classe BC4 na disputa de pares mistos
Andre Brasil – prata nos 100m costas S10
Daniel Dias – ouro nos 100m peito SB4
Yohansson Nascimento – prata nos 400m T46
Felipe Gomes e Daniel Silva – ouro e prata nos 200m T11
Jonathan Santos – bronze no lançamento de disco F40
5 de setembro
Jovane Guissone – ouro na categoria B da esgrima
Terezinha, Jerusa Santos e Jhulia Santos – ouro, prata e bronze nos 100m rasos T11
6 de setembro
Edênia Garcia – prata nos 50m costas S4 da natação
Daniel Dias – ouro nos 50m costas da natação
Andre Brasil e Phelipe Rodrigues – ouro e prata nos 100m livre S10 da natação
7 de setembro
Daniel Dias – ouro nos 50m borboleta da natação
Joana Silva – bronze nos 50m borboleta na natação
Goalball – prata no masculino
Lucas Prado – prata nos 400m T11

8 de setembro
Shirlene Coelho – ouro no lançamento de dardo F37/38
Eliseu dos Santos – bronze na bocha BC4
Maciel Santos – ouro na bocha BC2
Brasil – ouro no futebol de 5 (tricampeonato)
Daniel Dias – ouro 100m livre S5 na natação
Dirceu Pinto – ouro na bocha BC4 (bicampeonato)
Lucas Prado e Felipe Gomes – prata e bronze nos 100m rasos T11
Claudiney Batista – prata no lançamento de dardo F57/58

9 de setembro
Tito Sena – ouro na maratona T46

Fonte: Globo Esporte

Passo Firme – 09.09.2012
Vote no Blog Passo Firme para o TopBlog 2012!

Show de superação, história e tecnologia marca abertura dos Jogos Paralímpicos de Londres

A cerimônia de abertura dos Jogos Paralímpicos de Londres explorou história e tecnologia. Show de fogos de artifício, contou com pessoas com deficiência para falar de igualdade.

Dezessete dias após o encerramento dos Jogos Olímpicos, Londres está respirando esporte novamente desde esta quarta-feira (29) quando as Paralimpíadas foram iniciadas. Na cerimônia de abertura dos Jogos, a capital inglesa optou por ressaltar a evolução mundial da tecnologia.

Com discretos números artísticos, mas todos guiados pela peça “A Tempestade”, de William Shakespeare, o evento de ontem foi protagonizado pelas invenções e descobertas de gênios como Isaac Newton e Stephen Hawking.

A presença do físico britânico, aliás, foi um dos pontos altos da cerimônia. Hawking, que sofre de esclerose lateral amiotrófica e hoje, aos 70 anos, raramente faz aparições públicas, narrou grande parte da cerimônia.

Cento e oitenta e um atletas brasileiros vão participar dos jogos paralímpicos. A expectativa é que o nono lugar em Pequim 2008 seja superado. A delegação verde-amarela sonha ganhar pelo menos duas posições no quadro geral, superando as 47 medalhas (16 de ouro, 14 de prata e 17 de bronze) conquistadas há quatro anos.

Veja abaixo a reportagem originalmente exibida em 29/08/2012, no Jornal da Globo, pela Rede Globo:

SHOW – Após dançarinos se apresentarem com guarda-chuvas que juntos formavam um grande olho no meio do estádio olímpico, a atriz Nicola Miles Wildin, que tem deficiência física, apareceu no palco interpretando a personagem Miranda, de “A Tempestade”. Guiada pela narração de Hawking, Miranda acompanhou no estádio uma dramatização sobre a evolução da tecnologia ao longo da história. Ao seu lado estava o ator Ian McKellen, de personagens como Magneto (da franquia “X-Men”) e Gandalf (da trilogia “Senhor dos Anéis”), interpretando Próspero, também da peça shakesperiana.

O primeiro bloco da festa se encerrou com uma reprodução do fenômeno Big Bang, que teria dado origem ao universo, e com a entrada da rainha Elizabeth II. Não foi uma chegada triunfal, como na abertura da Olimpíada em que a titular da coroa britânica participou de uma cena com Daniel Craig, o atual James Bond, e simulou entrar no estádio em um helicóptero. Dessa vez, a rainha apenas ocupou seu lugar no camarote real ao lado do presidente do Comitê Paralímpico Internacional, Philip Craven.

O desfile das 164 delegações que disputarão os Jogos começou logo em seguida. O multimedalhista Daniel Dias, da natação, foi responsável por conduzir a bandeira do Brasil. Oscar Pistorius, principal atleta desta Paralimpíada e primeiro biamputado a disputar uma Olimpíada, carregou a bandeira da África do Sul.

O grande momento da noite, o acendimento da pira paralímpica, começou com um vídeo mostrando imagens do revezamento da tocha pelo Reino Unido. O fogo entrou no estádio pelas mãos de Joe Townsend, triatleta paralímpico e comandante da Marinha Real, e depois foi conduzido por outros esportistas com deficiências até chegar a Margaret Maughan. Primeira britânica a conquistar uma medalha paralímpica, nos Jogos de Roma-1960, ela acendeu uma das pétalas da grande pira em forma de flor. Todo o objeto foi tomado pelo fogo.

HEROÍNA – Na abertura, primeira britânica a conquistar uma medalha paralímpica em Roma, 1960, Margaret Maughan acendeu a pira.

MUDANÇA NO NOME – A palavra “paraolímpico” e suas derivadas começaram a “sumir” do do paradesporto brasileiro. O termo “paralímpico” e suas variações foram adotados pelo Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB – que também mudou de nome) no final do ano passado. O Brasil era o único país de língua portuguesa que ainda adotava o termo “paraolímpico”. E há muito tempo protelava a mudança. “A mudança foi gradual. Começamos com a troca de nomenclatura nas assinaturas de emails e o lançamento do novo portal. Depois veio todo o material de papelaria conforme o antigo foi acabando”, explicou o diretor de marketing do CPB Frederico Motta.

O Comitê Organizador dos Jogos Rio 2016 foi o primeiro a oficializar a troca do nome para paralímpico, mas as entidades parceiras do Comitê Paraolímpico Brasileiro (CPB) terão até 18 meses para se adequar às alterações no nome. “Ainda existem entidades que têm uniformes ou tendas com o nome paraolímpico e não vamos forçá-las a jogar tudo fora só porque trocamos de nome”, explicou o gerente de Comunicação e Marketing do CPB, Frederico Motta.

NÚMEROS – 09 medalhas, sendo quatro de ouro, foram conquistadas pelo nadador Daniel Dias em Pequim. Ele quer superar as marcas em Londres. 165 milhões foram investidos pelo Comitê Paralímpico Brasileiro para o ciclo paralímpico de Londres. O Brasil quer terminar entre os 10 melhores.

No vídeo abaixo, do canal SporTV, a delegação do Brasil faz festa durante festa de Abertura dos jogos Paralímpicos de Londres:

Fonte: A Crítica / Jornal da Globo / SporTV

Passo Firme – 31.08.2012
Vote no Blog Passo Firme para o TopBlog 2012!

Após perder perna em acidente, amputado realiza sonho de correr no Rali dos Sertões

Aos 40 anos, o piloto Cristiano Teixeira (foto) revela sua trajetória até chegar à disputa do Rali dos Sertões, provando que nem mesmo a limitação física é capaz de impedir a realização de sonhos, seja no esporte ou na vida como um todo

O esporte é pródigo em exemplos de superação. As histórias de atletas que ficaram perto do fim de suas carreiras e de suas vidas, mas que conseguiram reagir e voltar ao topo, são incríveis. É impossível não se lembrar de Alex Zanardi, que perdeu duas pernas em uma corrida da Indy, mas venceu a morte, voltou a competir e está perto de disputar seus primeiros Jogos Paralímpicos, em Londres, nos próximos dias. E dias atrás, Oscar Pistorius, velocista sul-africano biamputado – após apenas 11 meses de vida –, participou dos Jogos Olímpicos lado a lado com outros atletas sem limitações físicas como as suas.

O Rali dos Sertões, capaz de reservar histórias e trajetórias marcantes, traz também um piloto que viveu drama semelhante ao de Zanardi e Pistorius. Cristiano de Paula Teixeira, de 40 anos e natural da cidade de Andradas, sul de Minas Gerais, participava de competições de bicicross quando criança, e naturalmente desenvolveu sua grande paixão pelas motocicletas. Com elas, Teixeira fazia suas trilhas aqui e ali. O voo livre também estava na lista dos esportes preferidos do mineiro, que tinha vida bastante ativa.

Até que veio 2005, ano em que sofreu um acidente que representou, de certa forma – e da maneira mais dura possível – , um divisor de águas na vida e na carreira de Cristiano Teixeira. Depois de perder parte da perna esquerda após trágico acidente de trabalho em seu sítio em Andradas, sua jornada como piloto de moto estava em xeque. Mas o esporte entrou em jogo, sendo fundamental para sua reação enquanto esportista e também como homem.

O ACIDENTE – “Estava trabalhando com um trator no meu sítio em Andradas. E nesse trator havia um implemento, que fica girando, que é uma peça de ferro postada atrás dele. E eu sempre pulava esse ferro ao invés de dar a volta nele. Até que um dia, ao pular, a calça enroscou no parafuso desse ferro e, na hora, arrancou a perna esquerda”, descreveu Teixeira à reportagem do Grande Prêmio durante entrevista concedida em Barreirinhas, cidade que recebeu a caravana do Rali dos Sertões no último domingo (19).

Não é de se duvidar que muitas pessoas entrariam em parafuso ao viver problema semelhante ao de Cristiano. Afinal, ninguém está preparado para perder, de uma hora para outra, uma parte do corpo fundamental para sua locomoção no dia a dia. Mas o mineiro, valente, não esmoreceu perante sua limitação física.

Em nome da superação e do sonho de estar correndo ao lado de alguns dos melhores pilotos do mundo, Teixeira se dedicou com afinco e fez da dificuldade a sua força. Hoje ele corre ao lado da nata do motociclismo cross-country do Brasil, como Felipe Zanol, Jean Azevedo, Ike Klaumann e Dimas Mattos, todos com participação no Dakar.

“Sempre tive o sonho de participar do Rali dos Sertões. E depois do acidente essa vontade ficou ainda mais forte. Mas é duro, viu? Não é fácil não (risos)”, comentou Cristiano logo após o briefing dos pilotos de moto realizado na noite do último domingo (19) na cidade maranhense de Barreirinhas.

Mas para realizar seu grande sonho, Teixeira teve de suar muito antes de chegar ao seu objetivo. Não bastava ser apenas mais um. Era preciso lutar para fazer, com uma perna só, o que seus oponentes fazem normalmente com duas. Por isso, o mineiro se dedicou com afinco antes de estar diante do desafio de quase cinco mil quilômetros que tem pela frente entre São Luís e Fortaleza.

DEDICAÇÃO AO ESPORTE – “Depois do acidente, há três anos, comecei a focar mais uma participação no Sertões, e aí comecei a participar de algumas etapas do Brasileiro de Baja, que é um pouco parecido com o Rali dos Sertões. E depois disso comecei a treinar, fazer regularidade, comecei a pegar o esquema da planilha; foquei na preparação física, e estamos aí”, comentou Cristiano, com um sorriso que indicava a satisfação simplesmente por estar ali em um briefing do Sertões.

Teixeira contou também que sua grande dificuldade foi adaptar a prótese, colocada cinco meses após o acidente em Andradas, à moto, além de mudar um pouco o seu estilo de pilotagem. “Depois que eu coloquei a prótese, a luta foi só para acostumar com essa nova situação. Porque foi tudo diferente, mudou tudo, querendo ou não, você fica um pouco limitado, a princípio. Então eu tinha de desenvolver uma nova técnica para andar tão rápido quanto eu era antes.”

“Demorou um tempinho, mas agora já adaptei a prótese à moto, o encaixe da prótese à moto, já me adaptei ao câmbio também, que é mais apropriado à minha limitação. Felizmente desenvolvi outra técnica e estamos aí competindo com o pessoal”, acrescentou Teixeira, que superou o maior desafio da sua vida, mas sempre com planejamento adequado para competir com os melhores.

“Eu me dediquei a esse projeto, me preparei fisicamente e tecnicamente, e agora estamos aqui. A gente sempre tem de aproveitar as oportunidades quando elas aparecem, porque, se deixarmos passar, vai que uma hora não se pode aproveitar?”, indagou Cristiano à reportagem do Grande Prêmio em Barreirinhas.

O piloto disse que muita coisa mudou em sua vida, e para muito melhor. “Era muito focado no trabalho, mas depois disso procurei aproveitar um pouco mais o tempo e me divertir um pouco mais. Busquei aproveitar meu tempo e procurei realizar sonhos que guardava lá no fundo da gaveta por muito tempo. Coloquei tudo isso em prática e, entre esses sonhos, estava disputar o Rali dos Sertões”, acrescentou o andradense.

DETERMINAÇÃO – Por fim, Cristiano Teixeira creditou ao esporte a sua recuperação e o fato de estar disputando um dos maiores ralis do mundo.

“O esporte serviu muito para a minha recuperação. E eu já sabia que se treinasse, junto com meus afazeres diários, se dedicasse a minha vida à recuperação, sabia que poderia fazer tudo o que eu quisesse. E foi isso o que aconteceu”, salientou o mineiro, exaltando o espírito de superação ao correr de moto de maneira competitiva. “O esporte dá isso para a gente. Se você treinar, for disciplinado, investir no equipamento certo, você acaba tendo resultado. E na vida é a mesma coisa. É a força de vontade do ser humano”, destacou Teixeira, que fez questão de deixar uma última mensagem.

“Se você tem um problema físico, alguma doença, alguma limitação, você tem de lutar para superar isso. Quem decide como quer viver essa situação daqui para a frente é a gente, não é pai, mãe ou irmão. As pessoas têm de criar forças e tocar a vida para a frente. Foi isso que eu escolhi e até agora isso está dando certo”, finalizou Cristiano. Palavras de um piloto que já conquistou a maior vitória da sua carreira: a realização do sonho de estar no Rali dos Sertões.

Fonte: Grande Prêmio

Passo Firme – 23.08.2012
Vote no Blog Passo Firme para o TopBlog 2012!

“Vou treinar duro e voltar melhor”, diz Pistorius

O velocista sul-africano Oscar Pistorius, primeiro atleta biamputado a competir na Olimpíada e na Paraolimpíada no atletismo, entrou para a história do esporte ao conquistar uma vaga na semifinal dos 400 m rasos, em Londres, mas não conseguiu se classificar, neste domingo, para a final. O corredor completou o percurso em 46s54 – marca bem inferior ao seu melhor tempo (45s07) -, e terminou a prova em 23º lugar (entre 24 corredores), mas está decidido a continuar e garante: voltará melhor nos próximos Jogos Olímpicos.

“Eu queria ter arrancado um pouco mais rápido. Mas mesmo se tivesse sido mais rápido, seria muito difícil chegar à final. Os atletas que competiram hoje eram absolutamente fenomenais. Mas só de poder estar no topo, podendo correr entre os 24 melhores atletas olímpicos, é uma benção pra mim. E eu voltarei mais forte, eu treinarei mais duro. Eu ainda tenho muito trabalho pela frente, ainda tenho a Paraolimpíada, que vai ser inacreditável, e estou muito empolgado por isso”, disse o “Blade Runner”, ao deixar a pista do Olympic Stadium.

No sábado (4), na fase eliminatória, Pistorius terminou em 2º lugar de sua bateria, e em 16º no geral, ao completar o percurso em 45s44, sendo aplaudido de pé pelo público que lotava o estádio, emocionando-se. Hoje, o atleta foi o último do grupo a passar pela linha de chegada, mas mesmo assim ele foi aplaudido pelos demais competidores e ovacionado pela multidão que o assistia.

Primeiro colocado na mesma bateria em que Pistorius correu, e classificado na 2ª colocação geral, o velocista James Kirani, da Grenada, aplaudiu Pistorius e pediu para trocar com o corredor o papel de identificação que leva o nome dos atletas nas camisetas.

“Foi uma honra poder competir com ele, e poder apoiá-lo. É um exemplo de vida, uma pessoa que tem que lidar com muitas críticas, mas tenho certeza que essa só foi a primeira Olimpíada. Ele é um cara que tem muita fé, uma grande pessoa, foi uma honra”, disse o Kirani, que terminou os 400 m rasos em 44s59.

Apesar de estar fora da final, Pistorius voltará a correr em Londres, onde tentará a classificação no revezamento 4X400 m, com a seleção da África do Sul, na próxima quinta-feira (9). Além disso, ele espera competir “no auge da forma” na Olimpíada do Rio de Janeiro, onde espera chegar à final.

“Eu acho que a seleção da África do Sul tem sim uma chance. Nós nunca fomos considerados os favoritos, mas nós mostramos, no campeonato mundial do ano passado, que conseguimos correr bem. Então se conseguirmos chegar à final, qualquer coisa é possível”, disse o velocista – a equipe sul-africana ficou em 2º lugar no Campeonato Mundial de Daegu, na Coreia.

Aos 25 anos, o “Blade Runner” soma quatro medalhas de ouro em Paraolimpíadas, sendo uma em Atenas 2004 e duas em Pequim 2008. Pistorius conseguiu em 2008 índice suficiente para correr nos Jogos Olímpicos, mas não pôde competir após a Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF, da sigla em inglês) questionar se as próteses de carbono que usa abaixo dos joelhos poderiam favorecê-lo. Ele, porém, venceu a briga judicial e, no ano passado, novamente conquistou índice para a classificação olímpica.

“Foi a experiência mais inacreditável da minha vida. Eu sou muito abençoado. Eu vejo a história acontecer todos os dias”, afirmou o atleta, que acabara de assistir à vitória e novo recorde do jamaicano Usain Bolt, nos 100 m rasos. “Parabéns ao Usain, ele fez uma corrida fenomenal. Isso só mostra que ele ainda é o número 1”, completou.

Fonte: Terra

Leia também:

Londres: Pistorius avança às semifinais nos 400m rasos
“Ninguém fala sobre as desvantagens das próteses”, diz Pistorius
Quem segura esse cara?

Passo Firme – 07.08.2012
Vote no Blog Passo Firme para o TopBlog 2012!

Quem segura esse cara?

Pela primeira vez, velocista amputado de duas pernas disputa uma olimpíada com atletas aptos com auxílios de próteses. Será esse o futuro do esporte?

A largada das provas eliminatórias dos 400 metros (uma volta inteira na pista) tem tudo para ser um daqueles momentos mágicos, inesquecíveis, que só uma Olimpíada é capaz de produzir. Quem fará o tempo congelar nas arquibancadas do Estádio Olímpico será o sul-africano Oscar Pistorius (foto), de 25 anos, o primeiro biamputado convocado para uma competição olímpica em 116 anos de história dos Jogos.

Sem a metade das duas pernas desde os 11 meses, devido a uma má-formação óssea, Pistorius correrá ao lado de atletas fisicamente aptos, com ajuda das próteses Cheetah, feitas de fibra de carbono, que usa desde 2004. Ele também vai participar do revezamento 4×400 metros.

A incluisão de Pistotius no time sul-africano deve-se aos resultados alcançados por ele recentemente. No ano passado, durante a prova classificatória para o campeonato mundial, disputada por não deficientes, Pistorius correu 400 metros em 45,07 segundos – 1,58 segundo atrás do recorde olímpico da categoria. É uma distância imensa, e dificilmente ele alcançará a final. Veja no infográfico (imagem) acima quem leva vantagem nesta batalha homem x máquina.

A convocação de Pistorius é controversa. Em janeiro de 2008, a Federação de Atletismo negou sua participação nas provas de Pequim por considerar suas próteses uma vantagem. Elas ajudariam a manter a velocidade e fariam o atleta gastar 25% menos energia do que os outros corredores. Munido de estudos clínicos que concluíram o contrário (veja o infográfico abaixo) – ele estaria em desvantagem –, Pistorius recorreu da decisão, revogada posteriormente.

A despeito das divergências, a importância da participação de Oscar Pistorius nos Jogos Olímpicos de Londres é inquestionável. Competir com atletas totalmente capacitados torna Pistorius um símbolo da superação de deficiências. Também faz dele o pioneiro do que pode ser uma nova era olímpica, na qual o aperfeiçoamento atlético incluirá o uso de próteses e outros aparatos tecnológicos.

Fonte: Veja Especial Olimpíadas

Leia também:

Pistorius correrá sem restrições nos Jogos Olímpicos de Londres
“Pistorius não é o primeiro amputado em Olimpíadas”, diz jornal italiano
E quem ousou dizer que ele não iria?

Passo Firme – 31.07.2012
Vote no Blog Passo Firme para o TopBlog 2012!